Não cabe ao Brasil discutir conflito na Ucrânia, diz presidente

O presidente Jair Bolsonaro disse hoje (23) que não cabe a ele, enquanto mandatário brasileiro, entrar na discussão sobre o lado que estaria certo no conflito entre Rússia e Ucrânia. A afirmação foi feita durante a abertura do Congresso Aço Brasil 2022, em São Paulo, após Bolsonaro ter dito que recebeu do presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy, pedido para que o Brasil adotasse “posição firme nas sanções contra a Rússia”.

“Fui massacrado pela mídia, e até mesmo por colegas, quando conversei com o Vladimir Putin [presidente da Rússia]. Tudo que conversei com ele foi resolvido de perto e sem máscara. Putin demonstrou confiança na gente. Inclusive me convidou para conhecer a sala dele, em um gesto de carinho”, disse Bolsonaro.

“Há poucas semanas, o Zelenskiy me ligou pedindo posição firme do Brasil nas sanções contra a Rússia. Eu disse a ele que, se tivesse poder, não deixaria que a guerra acontecesse. Mas não vou discutir quem está certo ou errado. Sou presidente do Brasil”, disse ele, ao lembrar o papel do Brasil para a segurança alimentar de 1 bilhão de pessoas.

Na avaliação do presidente, os esforços do governo brasileiro têm de ser no sentido de garantir a segurança alimentar interna, o que passa pela necessidade de haver fertilizantes disponíveis para os produtores brasileiros – o que, segundo ele, foi viabilizado graças ao encontro que teve com Putin.

“Sem fertilizantes, estaríamos com sérios problemas”, disse. “O mundo está chegando a 8 bilhões de habitantes, e todos sabemos que, com fome, não se faz muita coisa. Devemos nos preocupar com a segurança alimentar brasileira porque, em casa em que falta pão, todos brigam e ninguém tem razão”, complementou.

Segundo Bolsonaro, o continente europeu corre riscos tanto do ponto de vista alimentar quanto energético. “Além da onda de calor muito forte, que causa incêndios, eles estão com problemas de segurança alimentar. Nem é inverno ainda, e se fecharem o gás [fornecido pela Rússia], a coisa vai complicar”, afirmou.

Energia

O presidente voltou a argumentar que o Brasil poderá ajudar a Europa não apenas com alimentos, mas também com fornecimento de energia limpa, atendendo à demanda europeia por esse tipo de fonte energética.

“O vento na Bahia à noite sopra o tempo todo. Com isso, a energia verde pode ser a segurança energética do Brasil, além da possibilidade de exportarmos hidrogênio verde obtido a partir da hidrólise [fazendo uso da energia obtida a partir] desses ventos que vêm do mar”, completou.

Agência Brasil

Acompanhe nossas redes sociais e fique por dentro de conteúdos exclusivos que são postados somente nelas: